Como e porque o autoconhecimento organizacional pode contribuir para com uma cultura forte e escalável

Espalhe a palavra!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A cultura organizacional existe de uma forma ou de outra, já que um negócio é feito por e para pessoas, o grande desafio é desenvolvê-la a ponto de fazer com que ela seja escalável. Para isso, é preciso trabalhá-la de forma consciente. Não sabe por onde começar? Eu te explico!


cultura organizacional

Li uma vez que se a estratégia de um negócio é tijolo, cultura é a argamassa. É o que dá liga. Mas, mais do que isso, cultura é essência em movimento. É a alma do negócio. É o que dá sentido.

A gente consegue percebê-la ao reparar nas regras do jogo, como as coisas são feitas e como decisões são tomadas dentro de uma organização. Por isso, quanto mais forte a cultura organizacional, menor a necessidade para detalhamento ou burocratização dos processos. Isso tudo faz parte do processo de tomada de consciência.

Afinal, quais são os principais pontos para tornar a cultura organizacional mais consciente?

Na NeoAssist, consegui aliar minhas paixões e aquilo que eu mando superbem, aos desafios de tornar a cultura organizacional cada vez mais escalável e consciente. Nesse processo todo, que começou há dois anos, identificamos três momentos em que essa nossa essência em movimento é reforçada. Hoje, a gente se apega muito a esses momentos e é para eles que sempre nos voltamos quando precisamos relembrar um pouco do nosso DNA.

O mais legal é que se você também precisar dar uma revisitada na cultura organizacional do seu negócio, você pode olhar para esses mesmos três momentos e utilizá-los como guidelines para adaptar a análise de acordo com a sua própria realidade. Preparada? Preparado? Então, vamos lá!

#1 Se você entende bem quem você é, já sabe com quem quer e precisa andar pra chegar mais longe

cultura organizacional ana feliciano

Sabe aquela história de que você é a média das pessoas com as quais você mais convive? Organizacionalmente isso não muda. Por isso, recrutar e se relacionar verdadeiramente com clientes, fornecedores, veículos e demais parceiros é extremamente importante.

Roubando a fala de Jeff Bezos, uma empresa não deve querer agradar todo mundo, mas criar e nutrir uma cultura organizacional forte e peculiar para que poucas pessoas – right people, right places – se sintam bem nela.

Eu, por exemplo, na hora de recrutar, mesmo já tendo certeza que aquela pessoa tem as competências necessárias e compartilha do nosso jeitinho de ser, sempre faço um último questionamento: será que eu gostaria de esbarrar com essa pessoa no banheiro, às 11 da noite, se por acaso eu precisar ficar até tarde naquele dia? Teríamos conversas estimulantes, mesmo que não tenhamos uma amizade, necessariamente?

E, claro que, todos os dias, também busco ser essa pessoa para os meus colegas de trabalho.

O mesmo serve para os demais relacionamentos estratégicos. Como organização, queremos andar com quem compartilha de valores semelhantes e propósitos que se conectem com os nossos. Só assim conseguimos chegar cada vez mais próximo ao nosso sonho grande!

#2 Se você se conhece bem, sabe do que precisa para chegar na sua melhor versão

cultura organizacional

Cultura organizacional é a forma como vemos o mundo, como nos posicionamos dentro dele e com que tipo de pessoas queremos nos relacionar. Ou seja, é o filtro que se tem em relação às jornadas externas e internas pelas quais passam uma pessoa ou um negócio.

Dessas jornadas surgem perguntas como: quais são as minhas forças? quais são os meus valores? onde pertenço? qual meu papel, contribuição e impacto? O autoconhecimento faz parte de nossa jornada interna. Ela nos leva a identificar dificuldades e desafios emocionais, medos ou crenças limitantes. O autoconhecimento no negócio permite maximizar aquilo que mandamos bem, identificar pontos de atenção e desenvolver cada vez mais as potencialidades organizacionais e das pessoas que estão construindo isso tudo junto com a gente.

Reconhecer tudo isso, é reconhecer sua cultura organizacional. O que te leva a ter maturidade para direcionar o desenvolvimento do negócio e das pessoas que colaboram para com esse sucesso. E desenvolvimento tem tudo a ver com questões profundas de como as pessoas se sentem e como elas se comportam em relação a isso. Cria-se, então, a oportunidade de enxergarem além dos pontos cegos.

Se você sabe quem você é e o que você precisa ter para chegar mais perto da sua melhor versão, você consegue perceber mais facilmente os caminhos que precisa seguir e o que precisa desenvolver para chegar lá.

#3 Se você entende seu processo de inovação, você entende grande parte da sua cultura organizacional

cultura organizacional ana feliciano

Quando falamos de inovação, existem algumas perguntas muito importantes para se fazer em relação ao seu próprio negócio. E, sobre isso, Peter Drucker tinha muito a dizer.

Como se dá o processo de inovação na sua empresa? As novas idéias estão sendo incentivadas ou só algumas (repare em quais são elas)? Quando aceitas, essas ideias são testadas como um MVP? Quando aprovadas, são aplicadas (e de que maneira)? Quanto tempo esse processo todo costuma levar?

Responder sobre essas perguntas é entender muito da sua própria cultura organizacional. Inovação requer agilidade e disciplina, além de uma mentalidade muito mais revolucionária do que só de melhoria contínua. Esse cenário faz cada vez mais sentido principalmente na área da tecnologia, como é o caso da NeoAssist.

Falar sobre cultura organizacional é entender o DNA compartilhado pelo time. Tornando esse processo mais consciente, existem mais chances da inovação aflorar nesse ambiente e, consequentemente, reforçar um jeito de ser.

Esses são os principais pontos nos quais me apego para revisitar e reforçar uma cultura organizacional. No fim das contas, é até que simples: eu analiso os três momentos acima e me proponho o questionamento sobre o porquê, o como e com quem fazemos tudo isso acontecer. Se as respostas abrangerem os valores e propósito da NeoAssist (ou da sua organização!), quer dizer que estamos alinhados. E, portanto, no caminho certo, rumo à uma cultura forte e escalável. E o que faz dela tudo isso é a tomada de consciência. É ter o que eu chamo de autoconhecimento organizacional.

Então, se a cultura do seu negócio não está clara, tá na hora de mapeá-la. E, se você precisar de ajuda para isso, será um prazer poder contribuir!

Enquanto isso, você pode dar uma olhada em algumas coisas que fazemos na Neo: Blog, Nosso jeito de ser, vagas dos sonhos.

Ficou curioso para saber como é a cultura aqui na Neo? Conheça um pouquinho do Nosso jeito de ser neste vídeo.

Quer saber sobre as vagas que estão disponíveis? Clique aqui e fique por dentro das oportunidades aqui na NeoAssist.


Leave A Comment



Quer receber mais conteúdos brilhantes?